quinta-feira, 19 de novembro de 2015

Operação Barba Negra da Polícia Federal em Cerquilho

Um homem de 35 anos e uma mulher de 29, responsáveis por comandar uma organização criminosa especializada em piratear conteúdo de entretenimento pela internet, foram presos pela Polícia Federal, que deflagrou quarta-feira (18/11) a "Operação Barba Negra". 

Os dois foram presos em Cerquilho, com diversos produtos eletrônicos, quatro carros de luxo e cerca de R$ 20 mil. Outras cinco pessoas também foram detidas em outras regiões, mais uma pessoa em Cerquilho, duas em Campinas e duas em Ipatinga (MG). Elas foram levadas à delegacia da PF, onde prestaram depoimento e estão sendo averiguadas. 
 
Segundo o delegado Valdemar Latance Neto, as investigações começaram em setembro a partir de informações e pesquisas pela internet de que o grupo gerenciava um portal online, chamado “Mega Filmes HD”, considerado o maior site de entretenimento da América Latina. Ele contava com um acervo com cerca de 150 mil filmes, documentários, séries de TV e shows. Havia transmissão de programas antes mesmo das estreias oficiais.
 
Estima-se que o site tenha recebido 60 milhões de visitas por mês no primeiro semestre deste 2015, das quais 85% eram de brasileiros e 15% de países como Portugal e Japão. Somente em uma rede social, o portal tinha mais de 4,5 milhões de seguidores. O grupo cobrava pela publicidade exibida em seu site, de onde obtinha sua renda.
 
Ainda, conforme o delegado, a publicidade era feita por agências que anunciavam suas empresas, gerando altos lucros. “O esquema era muito lucrativo. Acreditamos que os criminosos recebiam até R$ 70 mil por mês com publicidade, para alimentar o portal. O casal, que gerenciava todo o esquema, contava com a ajuda de pessoas que colocavam os links dos vídeos para que cada internauta tivesse a opção de escolher o que quisesse acessar. Os filmes, muitas vezes, estavam disponíveis para baixar antes mesmo que estreassem nos cinemas.” 
 
Na segunda fase das investigações, a Polícia Federal tentará identificar as agências que financiavam o site. De acordo com Latance Neto, a 1ª Vara Federal de Sorocaba solicitou na Justiça que o portal saia do ar em até cinco dias. Os envolvidos serão indiciados pela prática dos crimes de constituição de organização criminosa, com pena de três a oito anos de prisão, e de violação de direitos autorais, com pena de dois a quatro anos.
 
A operação foi denominada "Barba Negra" em alusão ao pirata inglês, Edward Teach, que navegava nas Caraíbas e na costa leste das colônias da América. 

Reproduzida do Diário de Sorocaba

Nenhum comentário:

Postar um comentário