sexta-feira, 1 de maio de 2015

Ordem judicial proibi protético atrevido se aproximar da ex-namorada em Salto de Pirapora

Misael dos Santos
O protético dentário Misael dos Santos de 36 anos, mais conhecido por "Tchuna", está proibido pela justiça de se aproximar de sua ex-namorada, a comerciante T.S.S. de 30 anos, moradora no Bairro Terras de São João, em Salto de Pirapora. 

Uma medida protetiva determina que o protético mantenha-se quinhentos metros distante da ex-namorada. A ordem judicial ocorreu esta semana (28 a 30 de abril), mas o oficial de justiça foi no endereço citado por Misael, na Rua Braz J. Anhaia, no Jardim Tatiana, em Votorantim, e não encontrou Misael para notificá-lo a respeito da medida protetiva: a medida proibi aproximação tanto da residência como do local de trabalho da vitima.

Dinâmica do fato

Segundo narrou a vitima na Delegacia, a comerciante de 30 anos, namorava com o protético Misael Santos há 5 anos, mas teria rompido o relacionamento. Misael mostrou-se inconformado, na sexta-feira à noite (24/04) ele propôs conversar com a ex-namorada dentro do carro dele, um utilitário Strada, quando a moça entrou no veículo ele disse que ambos morreriam e saiu com o veículo em direção às margens da rodovia SP 79 sentido Piedade. 

O corro sinalizou que o combustível estava na reserva, por esse motivo Misael parou o veículo no acostamento e agrediu a moça batendo a cabeça dela no freio de mão do veículo, em ato contínuo apertou o pescoço da moça tentando estrangular. Ela disse que conseguiu fugir e entrou num bar próximo, onde havia um casal que lhe acolheu e depois levaram-na em sua residência no Bairro Terras de São João, em Salto de Pirapora. 

A vitima informou o fato para a mãe dela, e temendo outra investida do agressor sugeriu que ambas fossem dormir em outro lugar. Familiares da moça acionaram a Polícia Militar que prontamente enviou uma guarnição ao local, e como já era esperado, os policiais avistaram Misael dentro do carro parado próximo à casa da vitima, e então, prenderam-no em flagrante. 

A moça foi levada para receber atendimento médico no pronto-socorro da Santa Casa da cidade.  Ao ser levado para a Delegacia, o protético atrevido chorou copiosamente, disse que amava a moça e negou que cometera tal agressão. O delegado Gilberto Montenegro o indiciou e prendeu como incurso na lei 11.340/2006 (violência doméstica) e arbitrou fiança de R$ 3 mil. Pela manhã (sábado 25/04) após o pagamento da fiança o protético ousado foi posto em liberdade. 

A justiça continua procurando-o para conscientizá-lo sobre a ordem judicial, após seu conhecimento, se ele desobedecer a vitima poderá acionar a Polícia Militar para prendê-lo. Se isto ocorrer, o juiz poderá transformar o flagrante por desobediência em prisão preventiva e mantê-lo preso até o julgamento do processo no Fórum de Salto de Pirapora.  

Não dá para viver sem notícia.  

Nenhum comentário:

Postar um comentário