terça-feira, 19 de maio de 2015

Desfecho do Crime - Justiça condena os acusados pela tentativa de latrocínio ao comerciante César Carvalho de Pilar do Sul

A justiça condenou três pessoas acusadas de cometerem latrocínio na forma tentada contra o comerciante César de Campos Carvalho, residente na Rua Pedro José Pereira no centro de Pilar do Sul. O crime ocorreu no início da manhã de 14 de março de 2012 (artigo 157 inciso 3º c,c artigo 14 e artigo 29; todos do Código Penal). 

Segundo consta nos autos do processo, dois criminosos apontaram armas para renderem a mãe do comerciante (Claudete), a filha dela, uma criança de 12 anos (Mariana), outro filho dela (Afonso) e o comerciante Cesar Carvalho; todos estiveram na mira de revólver, mas somente o comerciante César Carvalho sofreu lesão ao ser atingido por um tiro no abdômen. Após o disparo os criminosos fugiram num veículo Ford/Fiesta que os esperava, um terceiro indivíduo estaria dentro do Fiesta. César foi levado ao hospital e esteve internado, mas escapou da morte. 

A justiça entendeu que Everton Dias de Andrade, o "Evinho" e Jhony Willian Alves de Souza, o "Bigú" foram os executores do delito e Rafael Tadeu Toledo fora o indivíduo que forneceu informações aos demais para cometimento do crime. Segundo relatório de investigação com interceptação telefônica, Everton, Jhony e Rafael fizeram vários contatos por telefone antes do dia do crime. Os criminosos souberam que a família mantinha em casa R$ 45 mil, oriunda da venda de um carro. 

O quarto homem apontado como coautor é Lucas Archila de Almeida, o "Lukinha", ele está absolvido, no entanto não se sabe se foi posto em liberdade porque o alvará é clausulado (se estiver condenado por outro processo não sai da prisão). 

Os demais estão condenados: Jhony está condenado a cumprir 29 anos e 2 meses de reclusão; no caso do Everton sua punição é de 16 anos e 8 meses de reclusão, e Rafael está apenado com 17 anos e 9 meses de reclusão; todas as penas são em regime fechado. Jhony está preso em Casa Branca-SP; Everton está recolhido na Penitenciária II de Avaré e Rafael Toledo encontra-se no Centro de Detenção Provisória, em Pinheiros, na capital paulista. 

O veredicto ocorreu no final de abril de 2015, mas a publicação ocorreu no dia 15 de maio de 2015. A justiça impôs maior dosimetria ao réu Jhony por considerar que ele pertencia a um grupo criminoso de alta periculosidade, e porque seus antecedentes criminais mostram duas condenações em definitivo e também por ele ser reincidente.

Quem comete crime está sujeito a pão de angústia e água de amargura. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário