segunda-feira, 27 de abril de 2015

Mulher que denunciou o filho em Salto de Pirapora apresentou excelente exemplo

Este jornalista imagina quão difícil tenha sido para a moradora no Jardim América, em Salto de Pirapora, denunciar o filho envolvido com drogas à Guarda Civil daquela cidade, desesperada por causa daquela situação ela entendeu que precisava denunciá-lo, na quarta-feira (22/04).

Não há dúvida de que foi uma atitude correta, corajosa e merecedora de elogio, a mulher superou atitudes da maioria das mães que vivem situação igual ou semelhante. Desprezam a razão e movidas por puro sentimento materno procuram aliviar à situação do filho, acreditando que vai ajudá-lo, dependendo do caso isto pode prejudicar a reabilitação do menor. 

Existem mães que fecham os olhos e não querem acreditar no envolvimento do filho ou da filha com entorpecente; outras mães não querem aceitar a própria falha no tocante às medidas disciplinares que deveria impor ao filho quando era criança ou infanto-juvenil. Ainda há aquelas que acreditam que o filho sofre um tipo de armação: "o filho não vive comportamento reprovável". 

Para outras mães, seus filhos são vitimas de más companhias; mas quem permitiu  o filho ou filha andar em más companhias? Obvio, a mãe permitiu às más companhias ou pelo menos não orientou, não agiu corretamente para evitar a tal companhia que induziu o filho cometer ilícito .

Mãe que vai para igreja entregar o filho nas mãos de Deus, e, acredita que já cumpriu sua responsabilidade. Erradíssimo. Orar pelos filhos é necessário, porém, é preciso os pais assumirem responsabilidade de orientar continuamente, disciplinar, ditar limites em tudo, e observar se os filhos vivem as orientações.

Sem perceberem os pais contribuem direto ou indiretamente com atitudes dos filhos infratores, quando os genitores não fazem o "dever de casa" no tocante a exortar e policiar os filhos. Minha afirmação é baseada em análise que faço sobre como a maioria dos pais criam seus filhos nos dias atuais.

Liberam internet sem regra, permitem certas companhias, e consentem os filhos irem em locais que mostram o que não presta. A mãe do adolescente de 17 anos, surpreendido com drogas na casa dele e apreendido na Fundação Casa agiu de maneira que serve de exemplo para outras mães. Se os pais cumprem o "dever de casa", e os filhos enveredam para o caminho errado é necessário solicitar ação das autoridades, o limite orientação expirou.

Merece Reflexão.  

Nenhum comentário:

Postar um comentário