sábado, 28 de março de 2015

Tráfico de drogas está entre as metas principais da Polícia Civil-SP

Em visita a Sorocaba para informar novas políticas contra a criminalidade, o delegado-geral da Polícia Civil de São Paulo, Youssef Abou Chahin, disse que o combate ao tráfico de drogas está entre as metas principais que serão tomadas, aumentando o efetivo policial.

O delegado estava acompanhado do diretor do Departamento de Polícia Judiciária do Interior 7 (Deinter 7), José Aparecido Sanches Severo, disse que, atualmente, existe uma defasagem de policiais civis na região, mas que os concursos em andamento deverão trazer novos agentes para auxiliarem nas diligências desta natureza. Para tanto, a volta da Delegacia de Investigações sobre Entorpecentes (Dise) não foi descartada como um dos planos que serão implantados. 

“Conversei com o dr. Severo sobre um plano específico de combate ao tráfico na região. Temos uma falta de policiais hoje, que será suprida agora no segundo semestre. Estamos contratando 2.200 novos policiais para o Estado e os concursos estão na fase final. Pretendemos fazer uma Dise forte, através de uma força tarefa com a DIG (Delegacia de Investigações Gerais)”.

Chahin ressaltou a importância da união entre as polícias Civil e Militar, e a atuação da Prefeitura na retirada de dependentes químicos das ruas. “O trabalho das instituições é necessário. Operações conjuntas entre a PM e a Polícia Civil podem ser feitas, mas, é claro, cada uma em sua função, sendo uma com a investigação e outra com o patrulhamento ostensivo nos bairros. A parceria com a Prefeitura, retirando os usuários das ruas e os colocando em clínicas, também se faz necessária. Se não tem usuário, não tem traficante.” 

Delegado-geral destacou a diminuição do número de homicídios na região abrangida pelo Deinter 7, que está em 0,6 casos para cada 100 mil habitantes, índice abaixo da média tolerada pela Organização das Nações Unidas, que é de 10 homicídios para cada 100 mil habitantes. 

Sobre o aumento dos roubos de veículos, disse que são casos sazonais e dependem da atividade social, como na época de volta às aulas. “Os roubos de veículos tiveram pouco aumento. Não vejo como uma epidemia, mas como algo sazonal. Na época da volta às aulas, os casos de furtos e roubos de veículos são comuns, pois é comum vermos as famílias levando os filhos às escolas. Esse incidente é uma briga que estamos comprando, principalmente aos desmanches clandestinos, onde esses veículos roubados ou furtados são destinados.” 

Chahin também disse que se reuniu o secretário de Segurança Pública, Alexandre de Moraes, e representantes da Federação Brasileira dos Bancos (Febraban), e discutiram soluções que podem impedir o ataque de criminosos a caixas eletrônicos. 

Segundo o delegado, a Febraban comprometeu-se a instalar em 100% dos caixas automáticos mecanismos que previnam os furtos, como emissores de fumaça e dispensadores de tintas para manchar e inutilizar as notas obtidas pelos criminosos. Estes mecanismos, chamados tecnicamente de “ofendículos”, também incluem a adoção de placas especiais que dificultam o arrombamento e a afixação de explosivos pelos criminosos.

“A polícia prendeu várias quadrilhas. Em fevereiro do ano passado, foram 67 casos no Estado; já neste ano foram 21. Essa diminuição é só eficiência da polícia? Não. Na semana passada mesmo recuperamos 14 toneladas de dinamites pelo Departamento de Investigações sobre Crime Organizado (Deic). 

Eu participei de uma reunião com a Febraban para analisar recursos que inibam a atuação dos criminosos. Vendo que eles não podem levar as notas, depois de danificadas, a ação será em vão. Vários bancos estão aderindo às novas determinações e a conscientização deve partir de todos os estabelecimentos financeiros.” 

Reproduzida do Site Diário de Sorocaba.

Nenhum comentário:

Postar um comentário